Construção de Firewall - 2

Habilitando o suporte ao iptables no kernel

Para usar toda a funcionalidade do firewall iptables, permitindo fazer o controle do que tem ou não permissão de acessar sua máquina, fazer Masquerading/NAT em sua rede, etc., você precisará dos seguintes componentes compilados em seu kernel (os módulos experimentais fora ignorados intencionalmente):

     *

     * Network Options:

     *

    

     Network packet filtering (replaces ipchains) [Y/m/n/?]

      Network packet filtering debugging [Y/m/n/?]

    

     e na Subseção:

    

     *

     *   IP: Netfilter Configuration

     *

     Connection tracking (required for masq/NAT) (CONFIG_IP_NF_CONNTRACK) [M/n/y/?]

       FTP protocol support (CONFIG_IP_NF_FTP) [M/n/?]

       IRC protocol support (CONFIG_IP_NF_IRC) [M/n/?]

     IP tables support (required for filtering/masq/NAT) (CONFIG_IP_NF_IPTABLES) [Y/m/n/?]

       limit match support (CONFIG_IP_NF_MATCH_LIMIT) [Y/m/n/?]

       MAC address match support (CONFIG_IP_NF_MATCH_MAC) [M/n/y/?]

       netfilter MARK match support (CONFIG_IP_NF_MATCH_MARK) [M/n/y/?]

       Multiple port match support (CONFIG_IP_NF_MATCH_MULTIPORT) [M/n/y/?]

       TOS match support (CONFIG_IP_NF_MATCH_TOS) [M/n/y/?]

       LENGTH match support (CONFIG_IP_NF_MATCH_LENGTH) [M/n/y/?]

       TTL match support (CONFIG_IP_NF_TTL) [M/n/y/?]

       tcpmss match support (CONFIG_IP_NF_MATCH_TCPMSS) [M/n/y/?]

       Connection state match support (CONFIG_IP_NF_MATCH_STATE) [M/n/?]

       Packet filtering (CONFIG_IP_NF_FILTER) [M/n/y/?]

         REJECT target support (CONFIG_IP_NF_TARGET_REJECT) [M/n/?]

       Full NAT (CONFIG_IP_NF_NAT) [M/n/?]

         MASQUERADE target support (CONFIG_IP_NF_TARGET_MASQUERADE) [M/n/?]

         REDIRECT target support (CONFIG_IP_NF_TARGET_REDIRECT) [M/n/?]

       Packet mangling (CONFIG_IP_NF_MANGLE) [M/n/y/?]

         TOS target support (CONFIG_IP_NF_TARGET_TOS) [M/n/?]

         MARK target support (CONFIG_IP_NF_TARGET_MARK) [M/n/?]

       LOG target support (CONFIG_IP_NF_TARGET_LOG) [M/n/y/?]

       TCPMSS target support (CONFIG_IP_NF_TARGET_TCPMSS) [M/n/y/?]

Esta configuração permite que você não tenha problemas para iniciar o uso e configuração do seu firewall iptables, ela ativa os módulos necessários para utilização de todos os recursos do firewall iptables. Quando conhecer a função de cada um dos parâmetros acima, você poderá eliminar muitas das opções desnecessárias para seu estilo de firewall ou continuar fazendo uso de todas.

 

OBS1: A configuração acima leva em consideração que você NÃO executará os códigos antigos de firewall ipfwadm e ipchains. Caso deseje utilizar o ipchains ou o ipfwadm, será preciso responder com "M" a questão "IP tables support (required for filtering/masq/NAT) (CONFIG_IP_NF_IPTABLES)". Será necessário carregar manualmente o módulo correspondente ao firewall que deseja utilizar (modprobe iptables_filter.o no caso do iptables).

Não execute mais de um tipo de firewall ao mesmo tempo!!

OBS2: É recomendável ativar o daemon kmod para carga automática de módulos, caso contrário será necessário compilar todas as partes necessárias embutidas no kernel, carregar os módulos necessários manualmente ou pelo iptables (através da opção --modprobe=módulo).

 

 

 


Manipulando chains

 

O iptables trabalha com uma tabela de regras que é analisada uma a uma até que a última seja processada. Por padrão, se uma regra tiver qualquer erro, uma mensagem será mostrada e ela descartada. O pacote não conferirá e a ação final (se ele vai ser aceito ou rejeitado) dependerá das regras seguintes.

As opções passadas ao iptables usadas para manipular os chains são SEMPRE em maiúsculas. As seguintes operações podem ser realizadas:

Adicionando regras - A

Como exemplo vamos criar uma regra que bloqueia o acesso a nosso própria máquina (127.0.0.1 - loopback). Primeiro daremos um ping para verificar seu funcionamento:

     #ping 127.0.0.1

     PING 127.0.0.1 (127.0.0.1): 56 data bytes

     64 bytes from 127.0.0.1: icmp_seq=0 ttl=255 time=0.6 ms

     64 bytes from 127.0.0.1: icmp_seq=1 ttl=255 time=0.5 ms

    

     --- 127.0.0.1 ping statistics ---

     2 packets transmitted, 2 packets received, 0% packet loss

     round-trip min/avg/max = 0.5/0.5/0.6 ms

A máquina responde, agora vamos incluir uma regra no chain INPUT (-A INPUT) que bloqueie (-j DROP) qualquer acesso indo ao endereço 127.0.0.1 (-d 127.0.0.1):

iptables -t filter -A INPUT -d 127.0.0.1 -j DROP

Agora verificamos um novo ping:

     #ping 127.0.0.1

     PING 127.0.0.1 (127.0.0.1): 56 data bytes

    

     --- 127.0.0.1 ping statistics ---

     2 packets transmitted, 0 packets received, 100% packet loss

Desta vez a máquina 127.0.0.1 não respondeu, pois todos os pacotes com o destino 127.0.0.1 (-d 127.0.0.1) são rejeitados (-j DROP). A opção -A é usada para adicionar novas regras no final do chain. Além de -j DROP que serve para rejeitar os pacotes, podemos também usar -j ACCEPT para aceitar pacotes. A opção -j é chamada de alvo da regra ou somente alvo pois define o destino do pacote que atravessa a regra. Bem vindo a base de um sistema de firewall.

 

OBS1: - O acesso a interface loopback não deve ser de forma alguma bloqueado, pois muitos aplicativos utilizam soquetes tcp para realizarem conexões, mesmo que você não possua uma rede interna.

OBS2: - A tabela filter será usada como padrão caso nenhuma tabela seja especificada através da opção -t.

 

Listando regras - L

A seguinte sintaxe é usada para listar as regras criadas:

iptables [-t tabela] -L [chain] [opções]

Onde:

tabela

É uma das tabelas usadas pelo iptables. Se a tabela não for especificada, a tabela filter será usada como padrão.

chain

Caso o chain não seja especificado, todos os chains da tabela serão mostrados.

opções

As seguintes opções podem ser usadas para listar o conteúdo de chains:

·       -v - Exibe mais detalhes sobre as regras criadas nos chains.

·       -n - Exibe endereços de máquinas/portas como números ao invés de tentar a resolução DNS e consulta ao /etc/services. A resolução de nomes pode tomar muito tempo dependendo da quantidade de regras que suas tabelas possuem e velocidade de sua conexão.

·       -x - Exibe números exatos ao invés de números redondos. Também mostra a faixa de portas de uma regra de firewall.

·       --line-numbers - Exibe o número da posição da regra na primeira coluna da listagem.

Para listar a regra criada anteriormente usamos o comando:

     #iptables -t filter -L INPUT

    

     Chain INPUT (policy ACCEPT)

     target     prot opt source               destination        

     DROP       all  --  anywhere             localhost

O comando iptables -L INPUT -n tem o mesmo efeito, a diferença é que são mostrados números ao invés de nomes:

     #iptables -L INPUT -n

    

     Chain INPUT (policy ACCEPT)

     target     prot opt source               destination

     DROP       all  --  0.0.0.0/0            127.0.0.1

    

    

     #iptables -L INPUT -n --line-numbers

    

     Chain INPUT (policy ACCEPT)

     num target     prot opt source               destination

     1   DROP       all  --  0.0.0.0/0            127.0.0.1

    

     #iptables -L INPUT -n -v

     Chain INPUT (policy ACCEPT 78 packets, 5820 bytes)

      pkts bytes target     prot opt in     out     source               destination

         2   194 DROP       icmp --  *      *       0.0.0.0/0            127.0.0.1

Os campos assim possuem o seguinte significado:

Chain INPUT

Nome do chain listado

(policy ACCEPT 78 packets, 5820 bytes)

Policiamento padrão do chain.

pkts

Quantidade de pacotes que atravessaram a regra.

bytes

Quantidade de bytes que atravessaram a regra. Pode ser referenciado com K (Kilobytes), M (Megabytes), G (Gigabytes).

target

O alvo da regra, o destino do pacote. Pode ser ACCEPT, DROP ou outro chain.

prot

Protocolo especificado pela regra. Pode ser udp, tcp, icmp ou all. 

opt

Opções extras passadas a regra. Normalmente "!" ou "f".

in

Interface de entrada (de onde os dados chegam).

out

Interface de saída (para onde os dados vão).

source

Endereço de origem. 

destination

Endereço de destino.

outras opções

Estas opções normalmente aparecem quando são usadas a opção -x:

·       dpt ou dpts - Especifica a porta ou faixa de portas de destino.

·       reject-with icmp-port-unreachable - Significa que foi usado o alvo REJECT naquela regra.

Apagando uma regra - D

Para apagar um chain, existem duas alternativas:

1.      Quando sabemos qual é o número da regra no chain (listado com a opção -L) podemos referenciar o número diretamente. Por exemplo, para apagar a regra criada acima:

iptables -t filter -D INPUT 1

Esta opção não é boa quando temos um firewall complexo com um grande número de regras por chains, neste caso a segunda opção é a mais apropriada.

2.      Usamos a mesma sintaxe para criar a regra no chain, mas trocamos -A por -D:

iptables -t filter -D INPUT -d 127.0.0.1 -j DROP

Então a regra correspondentes no chain INPUT será automaticamente apagada (confira listando o chain com a opção "-L"). Caso o chain possua várias regras semelhantes, somente a primeira será apagada.

OBS: Não é possível apagar os chains defaults do iptables (INPUT, OUTPUT...).

Inserindo uma regra - I

Precisamos que o tráfego vindo de 192.168.1.15 não seja rejeitado pelo nosso firewall. Não podemos adicionar uma nova regra (-A) pois esta seria incluída no final do chain e o tráfego seria rejeitado pela primeira regra (nunca atingindo a segunda). A solução é inserir a nova regra antes da regra que bloqueia todo o tráfego ao endereço 127.0.0.1 na posição 1:

iptables -t filter -I INPUT 1 -s 192.168.1.15 -d 127.0.0.1 -j ACCEPT

Após este comando, temos a regra inserida na primeira posição do chain (repare no número 1 após INPUT) e a antiga regra número 1 passa a ser a número 2. Desta forma a regra acima será consultada, se a máquina de origem for 192.168.1.15 então o tráfego estará garantido, caso contrário o tráfego com o destino 127.0.0.1 será bloqueado na regra seguinte.

Substituindo uma regra - R

Após criar nossa regra, percebemos que a nossa intenção era somente bloquear os pings com o destino 127.0.0.1 (pacotes ICMP) e não havia necessidade de bloquear todo o tráfego da máquina. Existem duas alternativas: apagar a regra e inserir uma nova no lugar ou modificar diretamente a regra já criada sem afetar outras regras existentes e mantendo a sua ordem no chain (isso é muito importante). Use o seguinte comando:

iptables -R INPUT 2 -d 127.0.0.1 -p icmp -j DROP

O número 2 é o número da regra que será substituída no chain INPUT, e deve ser especificado. O comando acima substituirá a regra 2 do chain INPUT (-R INPUT 2) bloqueando (-j DROP) qualquer pacote icmp (-p icmp) com o destino 127.0.0.1 (-d 127.0.0.1).

Criando um novo chain - N

Em firewalls organizados com um grande número de regras, é interessante criar chains individuais para organizar regras de um mesmo tipo ou que tenha por objetivo analisar um tráfego de uma mesma categoria (interface, endereço de origem, destino, protocolo, etc) pois podem consumir muitas linhas e tornar o gerenciamento do firewall confuso (e conseqüentemente causar sérios riscos de segurança). O tamanho máximo de um nome de chain é de 31 caracteres e podem conter tanto letras maiúsculas quanto minúsculas.

 

iptables [-t tabela] [-N novochain]

           

Para criar o chain internet (que pode ser usado para agrupar as regras de internet) usamos o seguinte comando:

      iptables -t filter -N internet

            Para inserir regras no chain internet basta especifica-lo após a opção -A:

      iptables -t filter -A internet -s 200.200.200.200 -j DROP

            E então criamos um pulo (-j) do chain INPUT para o chain internet:

iptables -t filter -A INPUT -j internet

 

 

OBS: O chain criando pelo usuário pode ter seu nome tanto em maiúsculas como minúsculas. Se uma máquina do endereço 200.200.200.200 tentar acessar sua máquina, o iptables consultará as seguintes regras:

     `INPUT'                         `internet'

      ----------------------------    -----------------------------

      | Regra1: -s 192.168.1.15  |    | Regra1: -s 200.200.200.200|

      |--------------------------|    |---------------------------|

      | Regra2: -s 192.168.1.1   |    | Regra2: -d 192.168.1.1    |

      |--------------------------|    -----------------------------

      | Regra3: -j DROP          |

      ----------------------------

 

  

     O pacote tem o endereço de origem 200.200.200.200, ele passa pela     primeira e segunda regras do chain INPUT, a terceira regra direciona para o chain internet.

    

                                         _______________________________________

                                v       /                                      v

      /-------------------------|-\    / /-------------------------------------|-\

      | Regra1: -s 192.168.1.15 | |   /  | Regra1: -s 200.200.200.200 -j DROP  \_____\

      |-------------------------|-|  /   |---------------------------------------|   /

      | Regra2: -s 192.168.1.1  | | /    | Regra2: -d 200.200.200.202 -j DROP    |

      |-------------------------|-|/     \---------------------------------------/

      | Regra3: -j internet      /|

      |---------------------------|       No chain internet, a primeira regra confere

      | Regra4: -j DROP           |       com o endereço de origem 200.200.200.200 e

      \---------------------------/       o pacote é bloqueado.

     

    

     Se uma máquina com o endereço de origem 200.200.200.201 tentar acessar a máquina, então as regras consultadas serão as seguintes:

    

    

     O pacote tem o endereço de origem 200.200.200.201, ele passa pela      primeira e segunda regras do chain INPUT, a terceira regra direciona para o chain internet               ______________________________________

                                v       /                                      v

      /-------------------------|-\    / /-------------------------------------|-\

      | Regra1: -s 192.168.1.15 | |   /  | Regra1: -s 200.200.200.200 -j DROP  | |

      |-------------------------|-|  /   |-------------------------------------|-|

      | Regra2: -s 192.168.1.1  | | /    | Regra2: -s 200.200.200.202 -j DROP  | |

      |-------------------------|-|/     \-------------------------------------|-/

      | Regra3: -j internet      /|                                            v

      |---------------------------|                                           /

      | Regra4: -j DROP         --+-------------------------------------------     

      \------------------------/-/    O pacote passa pelas regras 1 e 2 do chain

                               |      internet, como ele não confere com nenhuma

                               v     das 2 regras ele retorna ao chain INPUT e é

      Esta regra é a número 4            analisado pela regra seguinte.

      que diz para rejeitar o

      pacote.

Renomeando um chain criado pelo usuário - E

Se por algum motivo precisar renomear um chain criado por você na tabela filter, nat ou mangle, isto poderá ser feito usando a opção -E do iptables:

     iptables -t filter -E chain-antigo novo-chain

Note que não é possível renomear os chains defaults do iptables.

Listando os nomes de todas as tabelas atuais

            Use o comando cat /proc/net/ip_tables_names para fazer isto. É interessante dar uma olhada nos arquivos dentro do diretório /proc/net, pois os arquivos existentes podem lhe interessar para outras finalidades.

Limpando as regras de um chain - F

            Para limpar todas as regras de um chain, use a seguinte sintaxe:

iptables [-t tabela] [-F chain]

Onde:

tabela

Tabela que contém o chain que desejamos zerar.

chain

Chain que desejamos limpar. Caso um chain não seja especificado, todos os chains da tabela serão limpos.

       iptables -t filter -F INPUT

       iptables -t filter -F

Apagando um chain criado pelo usuário - X

Para apagarmos um chain criado pelo usuário, usamos a seguinte sintaxe:

iptables [-t tabela] [-X chain]

Onde:

tabela

Nome da tabela que contém o chain que desejamos excluir.

chain

Nome do chain que desejamos apagar. Caso não seja especificado, todos os chains definidos pelo usuário na tabela especificada serão excluídos.

OBS: - Chains embutidos nas tabelas não podem ser apagados pelo usuário.

      iptables -t filter -X internet

      iptables -X

Adonel  Bezerra

Pós-graduado em Teoria em Educação a Distância e Docência do Ensino Superior;

MBA Executivo em Coaching;

Coordenador de cursos de pós-graduação.

Experiência em Gestão de Negócios, envolvendo-se com as áreas administrativa, financeira, comercial, produção e logística;

Experiência de mais de 20 anos como professor conferencista na área de segurança da informação;

Sólida experiência na gestão de negócios e tecnologia da informação;

Sólida experiência no meio acadêmico; 

Consultor de Segurança da informação com mais de vinte anos de experiência;

Treinamentos e palestras ministrados para milhares de profissionais em todo o Brasil;

Livro publicado pela Editora Ciência Moderna e diversos artigos publicados.

 

ALGUMAS PARTICIPAÇÕES COMO CONFERENCISTA OU PALESTRANTE

Centro Universitário do Maranhão – UniCeuma/2009 – Apresentação “O MERCADO DE CONSULTORIA EM SEGURANÇA DE INFORMAÇÃO. 

Universidade de Fortaleza|UNIFOR – Apresentação “TÉCNICAS HACKERS PARA TESTES DE INVASÃO”.

Faculdades Integradas do Ceará – FIC/2010 – Apresentação “ SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO”.

Escola de Gestão Pública do Estado do Ceará – /2012 – Apresentação “ SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO COM SOFTWARE LIVRE”.

Faculdade La Salle – 2013 – Apresentação “ESPIONAGEM INTERNACIONAL”.

Estácio|FIC/2013 – Apresentação “ ANÁLISE DE VULNERABILIDADES COMO FATOR PRIMORDIAL NAS ORGANIZAÇÕES”.

Estácio|FIC/2015 – Apresentação “PROVA DE CONCEITO”.

Devry Brasil|FANOR Salvador/BA, Fortaleza/CE, Belém/PA, Caruaru/PE, Recife/PE, Teresina/PI    - Apresentação “ VULNERABILIDADES DE SISTEMAS COMPUTACIONAIS”.

 

PROJETO PESSOAL – 1998 – Até o momento

- Fundador e Mantenedor de um dos maiores portais de Segurança de sistema do Brasil, o portal Clube do Hacker; www.clubedohacker.com.br

Fundador e mantenedor da Academia Linux www.academialinux.com.br

Fundador da BUCOIN – www.bucoin.com.br